sábado, 17 de setembro de 2011

Nilmar, sobre o Internacional: "Me lembro com muito carinho, por tudo de bom que o clube me ofereceu"

Nilmar foi entrevistado pela revista "Trivela", e comentou sobre Seleção Brasileira, Lyon, Villarreal, Corinthians, e o Internacional. Falou sobre sua origem e sua carreira. Confira.

- A última convocação de Nilmar para defender a Seleção Brasileira foi nos amistosos contra a Romênia e Holanda, realizados em junho. Mesmo tendo ficado de fora da Copa América e das últimas listas de Mano Menezes, o atacante do Villarreal afirmou não estar preocupado.

“O motivo de não ser chamado para a Seleção, seja em qualquer competição, para mim, não é importante. Eu trabalho sempre com o máximo de esforço para ser convocado e estou certo de que, se não tiver mais lesões, estarei pronto para voltar para a equipe”, disse Nilmar à Trivela.

Nesta entrevista entrevista concedida com exclusividade, o atacante falou sobre a Copa do Mundo de 2010, o treinador Dunga e as suas passagens por Internacional, Corinthians e Lyon, além da polêmica com a MSI.

Esta será a sua terceira temporada no Villarreal. Como foi sua adaptação ao futebol espanhol?
Minha adaptação durante as primeiras temporadas no Villarreal foi muito rápida. Fui me adaptando aos poucos e encontrei o meu melhor jogo dentro do sistema da minha equipe.

Qual é o objetivo do Villarreal na temporada?

"Para esta temporada, nossa intenção é conseguir jogar com as equipes mais fortes da liga espanhola e ficar entre as primeiras posições".

Como é jogar em uma liga em que dois times (Barcelona e Real Madrid) monopolizam o campeonato?

"Sempre é complicado competir em uma liga com equipes tão fortes como Madrid e Barcelona. Mesmo assim vamos trabalhar duro para tentar reduzir a diferença ao máximo".

Qual time pode trazer alguma dificuldade para Barcelona e Real Madrid?

"Acredito que as equipes como Villarreal, Valencia, e Atlético de Madrid podem seguir de perto Barcelona e Real Madrid até o final do campeonato, conseguindo estar próximo nas últimas e decisivas partidas".

Sobre a Copa do Mundo de 2010, como você considera a atuação da Seleção Brasileira no Mundial da África do Sul?

"Acredito que foi uma pena não conseguirmos chegar mais longe no Mundial, mas estou certo de que, rapidamente, voltaremos a ser a seleção de referência do mundo".

O que você e os jogadores achavam do fato de o técnico Dunga restringir o contato de vocês com a imprensa?

"Foi uma decisão dele que acredito que foi pensando no melhor para a concentração da equipe".

O que os jogadores pensavam sobre o técnico Dunga?

"Não posso falar pelos outros jogadores, mas eu, pessoalmente, penso que Dunga é um grande técnico e boa pessoa".

Você ficou de fora da Copa América e da lista de convocados dos últimos jogos da Seleção. O Mano te disse por que você não foi chamado?

"O motivo de não ser chamado para a Seleção, seja em qualquer competição, para mim não é importante. Eu trabalho sempre com o máximo de esforço para ser convocado e estou certo de que, se não tiver mais lesões, estarei pronto para voltar para a equipe".

Como você vê a seleção para 2014? O que você precisa fazer para estar nesse grupo?

"Acho que jogar o Mundial no Brasil em 2014 é uma das coisas mais legais que poderia me acontecer como jogador e estou certo que a seleção fará um grande papel. Para fazer parte desse grupo, devo treinar muito e dar o melhor de mim durante as próximas temporadas".
Na sua passagem pelo Lyon, você não conseguiu se firmar. O que aconteceu?

"Foi muito simples: no final, não se chegou a um acordo que favorecia todas as partes".

Já no Corinthians, você foi um dos destaques da conquista do Campeonato Brasileiro e saiu do clube depois de um processo judicial. O que ficou marcado na sua passagem pelo clube?

"Foi uma fase muito importante na minha carreira, que eu lembro com muito carinho. Sem dúvida, me permitiu crescer muito como jogador".

Tem algum ressentimento com Kia Joorabchian, que o contratou, mas não pagou ao Lyon?

"Não. Eu não tenho mágoa de nada, nem dentro nem fora do mundo do futebol, são coisas que acontecem e já foram esquecidas".

Você é de Bandeirantes (PR). Como foi parar no Internacional?

"Jogando no Matsubara, do Paraná, o Internacional demonstrou interesse em mim. Sem pensar duas vezes eu aceitei".

O que o Internacional significa para você?

"Sobre as minhas duas passagens pelo internacional, eu me lembro com muito carinho por tudo de bom que o clube me ofereceu. Foram temporadas que pude crescer como jogador e também como pessoa".

Qual foi o momento mais marcante da sua carreira?

"Para mim, a primeira convocação para a Seleção foi um dos momentos mais importantes da minha vida esportiva. Sem dúvida é algo que mostra que você está muito bem e está perto do seu nível máximo".

Fonte: Trivela/UOL

Curta nossa fanpage!