domingo, 29 de setembro de 2013

É tudo, menos meu Internacional

Foto:Alexandre Lops / Divulgação Inter
Sempre fui uma colorada de extremo otimismo, daquele tipo de torcedor que tem esperança até o último lance da partida, aquele que não parece se cansar. Mas o que eu vejo hoje dentro e fora de campo é tudo, menos o meu Internacional.

A todos aqueles que acharam que o Inter poderia surpreender, eu digo: enfrentar o Cruzeiro - líder do campeonato - sem estrutura interna, sem treinamento competente, sem estádio e sem o principal jogador do time não poderia dar certo. 

O Inter começou a partida como de costume e esperou levar um gol para acordar. Logo aos 4 minutos a raposa abria o placar. Reparem que o gol é muito semelhante ao que levamos contra o Atlétivo-PR, pela Copa do Brasil. Será que ninguém observa que o Muriel sempre leva os mesmos gols e que sempre vai em direção à bola depois que ela já está nas redes? Que tipo de goleiro pula depois que a bola entra? 

Bom, o colorado não esperou muito e no minuto seguinte já empatava a partida usando a velocidade do ataque - boa jogada de Jorge Henrique e Kléber, com finalização de Otávio. (Kléber acertando um cruzamento depois de dois anos). 

Seguimos melhores na partida, impondo um estilo de jogo que, embora muito desorganizado, não deixava o Cruzeiro passar do meio campo. Mesmo com a nítida falta de D'alessandro, Otávio buscou os companheiros para criar jogadas - encontrava Jorge Henrique e Caio em velocidade, assim como Kléber que surpreendentemente foi um dos melhores em campo (quando eu disser "melhor em campo" leiam "menos pior em campo"). 

Dunga não age, não fala, nada demonstra à beira do gramado e isso me assusta. Questionado uma vez sobre seu silêncio e quietude, afirmou que gritos, xingos ou conversas demais desestabilizavam os jogadores. Penso que é necessário desestabilizar! A satisfação ou insatisfação devem ser demonstradas à beira do campo! Os jogadores precisam se contagiar com as reações do treinador. Acredito que seja por isso que o time do Inter não tem "olho de tigre" ou "sangue nos olhos" - seu treinador é passivo demais. 

No segundo tempo fomos completamente engolidos pela reação cruzeirense. O time mineiro voltou do vestiário anulando a velocidade de Otávio e Caio, dando poucas chances para a dupla aparecer como na primeira etapa. Se o Inter já estava mal posicionado antes, depois da boa marcação da raposa se apresentou completamente desorganizado. 

Aos 7 minutos do 2º tempo outra bola entrava no gol colorado. Muriel mais uma vez não se estica e não se esforça. Mais uma vez não é goleiro. Gabriel marca como se todos os jogadores adversários fossem inofensivos. Nosso time é realmente muito mal treinado, vejo isso a cada passe errado.

Dunga sacou um volante, Josimar, para a entrada um centroavante, Leandro Damião. Aparentemente todos acham positiva tal mudança, porém o recuo de Jorge Henrique e a péssima fase do nosso camisa 9 provam o contrário. Nosso comandante não tem esquema, não tem uma "carta na manga", é um cara totalmente sem inteligência de treinador de verdade. 

Até a torcida que vai ao estádio está mostrando passividade. Apoiem sim, mas reivindiquem também. Vocês colorados que frequentam os estádios tem mais poder do que imaginam.

E o Inter perdeu mais uma meus amigos! Continuo com a ideia de que a culpa do fracasso colorado desde a era mazembe pertence à direção lenta e incompetente que temos. O que assistimos hoje é consequência das decisões de Giovanni Luiggi e seus comandados. Qual será a desculpa dessa vez? Chega sabe, eu não quero mais ouvir. Sei que você, assim como eu, clama por mudança. Eu só quero o meu Inter de volta, custe o que custar.

Curta nossa fanpage!