domingo, 28 de julho de 2013

D'aledependência - Parte II

A responsabilidade deste camisa 10 é gigantesca.
2015. Eis um ano histórico para o Internacional. O tempo que parece que nunca chegará, porém vai se tornando próximo pouco a pouco. Ninguém ai acha que esse ano será decisivo? Tenho a certeza que sim. O motivo? Bem, o contrato de D'alessandro vai até 2015 e posso garantir a vocês que ele não renovará.

"O Inter não joga sem o D'alessandro", todo mundo conhece essa frase, bem clichê, mas nem todos sabem a profundidade que ela consegue traduzir. Mas eu trocaria por esta: "O Inter não existe sem o D'alessandro". Muitos vão me dizer que fomos campeões da LA2006 e do Mundo sem o D'alessandro e conquistamos mais duras batalhas sem ele. Sim, é uma verdade. Mas volte-se para o presente caro amigo, pense no time que muitas vezes você vê jogar quando esse camisa 10 está ausente por contusão ou suspensão. Depois que D'ale pisou no Beira-Rio, o Inter se mantém vivo dentro e fora de campo devido a sua existência.

Vocês devem se lembrar bem de quando aquela proposta da China abalou as vigas de concreto do Gigante não é? Pois bem, qual teria sido o primeiro pensamento dos colorados antes de lotarem nosso estádio gritando "Fica, D'alessandro"? Com toda certeza a maioria pensou no time sem ele, que sempre será um candidato nato a perder.

É claro que a derrota desse domingo não se prende apenas a explicação de que "faltou o D'ale". Diversos outros fatores nos levaram a perder hoje, porém o nosso primeiro pensamento sempre é a falta que ele faz. Um amigo meu me disse há muito tempo atrás que o "D'alessandro não é eterno" e eis aqui uma verdade que me faz questionar: "O que faremos quando ele for embora?"

Quando aquela proposta da China chegou, Luiggi se mostrou ágil ao contratar Jesús Dátolo. Sim, aos olhos dele outro argentino subtituiria nosso craque. E ai pessoal, substituiria?

É pra refletir, quebrar a cabeça, martelar o cérebro a procura de resposta. Alex era o 10 antes de D'ale chegar e atuar com aquela camisa 15, que logo foi deixada de lado. Hoje ele está de volta, poderá atuar ao lado do D'alessandro e fazer com que o meio campo não perca tanta produtividade quando o camisa 10 estiver ausente. Aparentemente existem soluções.

É claro que o time jogou mal hoje e mereceu a derrota para o lanterna. O Inter e sua insistência para ressuscitar os mortos. Mas não vou ficar sendo repetitiva ao falar sobre nossas laterais, sobre Ronaldo Alves, sobre o Rafael Moura e outros.

Assim que desliguei a TV não refleti muito sobre a derrota em si. Só conseguia pensar em uma coisa: e quando D'alessandro for embora?

Veja: D'aledependência (Parte I)

Curta nossa fanpage!