sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Nilmar fala do cotidiano em Doha, comenta polêmica do meio do ano e afirma: "Se o Inter quiser, ele sempre estará na frente"

Foto: Al Rayyan / Divulgação
2013 nem acabou e as especulações sobre a volta de Nilmar já começaram, porém o torcedor colorado pode controlar a euforia. Em entrevista ao globoesporte.com, Nilmar disse que não estipula data de retorno, mas sempre dará prioridade ao Inter - clube que o revelou e ao qual tem tanto carinho.

- Se o Inter quiser, ele sempre estará na frente. Foi assim em todas as vezes, sempre tive a primeira conversa com o Inter.

Nilmar procura acompanhar todas as partidas do time gaúcho. E reitera: quando retornar ao Brasil, conversará primeiro com os dirigentes colorados para saber se existe a vontade de contratá-lo pela terceira vez. Mas toma cuidado com cada palavra, até para não dar margem a uma falsa possibilidade de que isso ocorra em um prazo curto.

Sobre a polêmica do possível retorno ao Brasil na metade deste ano, o atacante do Al Rayyan confirmou que seria muito difícil voltar tendo assinado um contrato longo, além dele ser uma grande aposta do time do Qatar.

-  Conversei com o Giovanni e o pessoal do Inter. A imprensa toda falava, dizia que estava certo. Mas não tinha acordo. Os caras (do Al-Rayyan) investiram alto em mim. Sabia a dificuldade que era, que ninguém me liberaria fácil. Por mais que Porto Alegre seja minha casa, deixei claro para o Giovanni que era difícil. Não quis me envolver naquele momento, por mais carinho que tenha pelo Inter.

O ex-camisa 9 colorado contou como vive em Doha, revelando características do futebol árabe que conquistou a ele e à sua família.

- A vida aqui é bem tranquila. Minha família gosta daqui e dá para aproveitá-la mais. Acabei de ter um molecão, mas agora fechou para balanço – brinca. - Posso levar minha filha (Helena) ao colégio, durmo todos os dias em casa, não há viagem nem concentração, que é o que minha mulher mais gosta. Ela adora aqui.

A Copa do Mundo do Qatar, de 2022, servirá para impulsionar o esporte no país. O futebol, apesar das altas cifras que os xeques mexem, não é a única função da maioria dos jogadores. E o atacante, que tem como uma de suas principais virtudes a velocidade, brinca que corre ainda mais no Al-Rayyan. Só que Nilmar gostaria de ver as arquibancadas com públicos maiores:

- O futebol aqui é mais lento. Não são 11 (jogadores) profissionais. Estou correndo aqui mais do que na vida toda – diz aos risos -. Treinamos pouco pelo clima e porque os jogadores têm outros trabalhos. Só podem jogar quatro profissionais por clube. Não tem a intensidade do Brasil, mas está melhorando. Estão contratando atletas mais jovens. Pena que aqui o estádio só lota em decisões. O público é geralmente pequeno, não como ocorre no Brasil e na Europa.

 Nilmar tem vontade de voltar à seleção brasileira e repetir seus feitos da Era Dunga, mas diz não se arrepender da decisão de ter ido para longe.

- Quando assinei, sabia que a Seleção estaria mais longe. O futebol não é muito badalado. Tenho o sonho de disputar a Copa, mas não me arrependo.

Fonte: Globoesporte.com (reportagem modificada)

Obs: Depois de ler esta matéria do GE, dei uma lida nos comentários e encontrei este que me chamou muita atenção. Seria muito bacana se todos colorados pensassem dessa forma.

Clique na foto para melhor visualização

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Curta nossa fanpage!